VI. Cristologia

A Pessoa e Obra de Jesus

Cristologia trata com o significado da pessoa e da obra de Jesus. Assim, ela tem duas partes. Primeiro, ela explica quem era Jesus. Segundo, ela relaciona o que ele fez pela humanidade. Interpretações da natureza real e autoridade de Jesus começaram quando ele foi aclamado por Pedro como o Messias e alcançou um clímax nos dogmas trinitarianos e cristológicos dos concílios ecumênicos de Nicea (325 D. C.) e Calcedônia (451 D. C.). Quase tão importante, mas nunca promulgadas oficialmente, são várias doutrinas sobre os efeitos expiatórios e justificadores do ministério de Jesus. De acordo com a visão convencional, Jesus Cristo é tanto Deus como Salvador.

Leia mais...

 

Cristologia Atual

O Unificacionismo concorda com tendências recentes que Jesus era humano, como também de alguma forma divino. D. M. Baillie afirmou que a questão para o Jesus histórico força a teologia a assumir a plena humanidade de Jesus Cristo de forma mais séria do que antes. No passado os fiéis não reconheciam que Cristo era “consubstancial” com eles mesmos. Eles não admitiam que crescimento humano, ignorância, mutabilidade, luta e tentação eram características da vida de Jesus. Mas agora, diz Baillie, a crença na plena humanidade de Jesus deve se tornar a sua própria crença. 13

Leia mais...

 

Alguns Problemas Adicionais

Seu Chamado Messiânico

Quando Jesus de Nazaré foi escolhido por Deus para ser o Messias? Escritores do Novo Testamento respondem essa questão de várias formas. A mais antiga Cristologia é encontrada em Paulo e nos discursos que Lucas insere em Atos; por exemplo: Romanos 1:4, Atos 2:32, 36; 5:31; 13:32-33 e Fil. 2:11-9. Como Romanos registra, Jesus foi declarado Filho de Deus por um ato poderoso no qual ele ressuscitou da morte (1:4). Entretanto, Marcos parece localizar o início da consciência messiânica de Jesus com o batismo. Com a descida do Espírito Santo, Jesus se tornou o Filho Unigênito de Deus (Marcos 1: 10-11). Mateus e Lucas empurram a ideia ainda mais para trás: Jesus é o Filho do Altíssimo porque o Espírito Santo foi responsável pela gravidez de Maria (Lucas 1:32, 34-35). Quanto ao Quarto Evangelho, ele assume que Jesus é a encarnação do Logos pré-existente que estava com Deus no início da criação (João 1:1-3). 19

Leia mais...

 

O Espírito Santo

No Novo Testamento a doutrina do Espírito Santo está intimamente relacionada com a Cristologia. O Espírito vem e ofusca Maria quando seu filho é concebido. O Espírito paira sobre Jesus e desce em seu batismo. Em seu primeiro sermão em Nazaré, ele define sua missão messiânica com as palavras do Velho Testamento: “O Espírito do Senhor está sobre mim...” (Lucas 4:18). Este Espírito habita em Jesus por toda a sua vida, permitindo-o falar com autoridade, curar doenças e expulsar demônios.

Leia mais...

 

Página 1 de 2